Inspetor D.Lucas

Outras publicações de Inspetor D.Lucas

Sou motociclista, sempre fui e não lembro o dia que não tenha andado de moto ou que não tenha pensado nela. Motocicleta é mais que um meio de transporte, é um prazer.

Catadióptrico?

27 de Outubro de 2013

|

ENCONTRODEMOTOS.com

Sabe o que é? E os tachões? Saiba que o motociclista é quem corre o perigo?

Todos os dias, durante nossos deslocamentos com motocicletas, em todo o país, deparamo-nos com eles. Estão em todos os lugares e sinalizam para marcar caminho, para nortear os motoristas e, mais uma vez, os motociclistas são os grandes prejudicados, porque ninguém consultou ou mesmo procurou saber dos motociclistas se eles são prejudiciais, perigosos, ou se podem interferir na dirigibilidade das motocicicletas.

Já expus em outro texto aqui mesmo no site que, no CTB (Código de Trânsito Brasileiro), somente o artigo 244 trata do veículo motocicleta. O que é muito pouco, pois as leis são de 1997 e, assim mesmo, copiadas do CTB anterior quando o trânsito não era dominado pelos motociclistas e, assim, os catadióptricos ainda não eram tão utilizados e nem eram tão modernos para sinalizar as estradas e cidades.

Mas o que é “Catadióptrico” afinal? Simplesmente são os “olhos de gato”, que se definem como um dispositivo de propriedade catadióptricas, utilizado
nas estradas para marcar as extremidades entre as vias e a beira-via. Trata-se de um prisma cônico de base retangular, que apresenta duas placas catadióptrias nas suas superfícies exteriores, de jeito que os usuários dos automóveis, que se deslocam nos dois sentidos da via, vejam refletidas as suas luzes. Normalmente, amarela ou vermelha.

Este é o famigerado Catadióptrico. No CTB, diz que que Catadióptrico é um dispositivo de reflexão e refração da luz, utilizado na sinalização de vias e veículos (olho-de-gato) simplesmente.

E aí? O que ocorre quando um motociclista, por qualquer motivo, desequilibra e cai sobre esta sinalização? Se, em uma simples queda, ele se arrastar e passar por sobre este catadióptrico, simplesmente, vai ter uma séria lesão e poderá ser causador de morte como já foi relatado em vários acidentes: se não fosse aquela sinalização no asfalto, ele não teria morrido. Já escutei isso algumas vezes e acidentes que presenciei.

Mas como podemos lutar contra esta sinalização que somente prejudica os motociclistas. Podemos nos unir com petições para o governo federal, mostrando e provando que esta sinalização, apesar de proporcionar segurança no trânsito, pode ser tão prejudicial ao motociclistas.

Esta semana recebi uma petição via internet e ela trata sobre tachões nas estradas e ruas do Brasil. Eles querem proibir que empresas e órgãos governamentais coloquem os “tachões” como sinalização. Seria portanto um catadióptrico em tamanho maior. Tachões são obstáculos instalados por governos, empresas e concessionárias de rodovias nas ruas, avenidas e em suas imediações. Eles têm aproximadamente três centímetros de altura e são fixados no piso, com objetivo de evitar que os veículos passem sobre eles. Os motociclistas são os maiores prejudicados, pois, ao passarem sobre estes tachões, podem perder o controle de suas máquinas e se envolverem em acidentes, em especial se a pista estiver molhada, com óleo ou areia. Vários acidentes têm ocorrido devido a isto, porém a imprensa dificilmente divulga que os tachões foram a causa, atribuindo-a a outros fatores. Estes tachões são os catadióptrico sem especificação e fiscalização.

Por que não colocam muros? Porque os outros veículos bateriam e as pessoas morreriam. Mas, para motocicletas, os tachões são como muros e os motociclistas têm morrido por causa deles. Por isso fizeram uma petição e todos devemos participar e assinar. O endereço é: https://secure.avaaz.org

A motocicleta precisa de ser respeitada e os mtociclistas precisam ser consultados sobre leis e sobre a segurança do motociclista. Não podemos aceitar que a mesma legislação de veículos, como carros e caminhões, seja a mesma para a motocicleta. Todos são considerados um veículo, mas as peculiaridades e particularidades das motos são grandes. Moto tem de ser respeitada como o primeiro veículo da familia e que, atualmente, todos adquirem, seja para trabalho ou lazer.

Nós que temos motos de grandes cilindradas devemos também nos mobilizar para que tenhamos um trânsito mais seguro. Vejo que o mundo das motos é muito dividido entre jaspeiros e clássicos, motoqueiros e motociclistas e, agora, em Brasília, já tem até encontro de esportivas e nakeds e, com isso, somente estamos separando uma categoria que deveria ser unida para que possamos ser respeitados. Durante o deslocamento no trânsito, não existe diferença entre uma 125cc e uma 1700cc, pois os acidentes ocorrem, e por existir uma legislação específica, os desconhecidos catadióptricos continuarão a matar e os tachões serão criados, sem mesmo se consultar o maior prejudicado: o motociclista.

Como disse, e repito, os motociclistas têm de se unir em prol de uma legislação específica para motocicletas e que possa, de alguma maneira, ajudar quem estiver pilotando. Não vai ser criando uma lei para disponibilizar a placa da moto no capacete, ou criando um inútil air bag para motociclistas, que conseguiremos mais segurança. A segurança tem de ser pensada em parceria com os motocilistas, pois são eles que estão no dia a dia da cidade e estradas, independente da cilindrada de sua moto. Devemos nos mobilizar contra este tachões que, por si só, já são um perigo. Fim aos catadióptricos!

Fotos: 1 e 2 - Divulgação | 3: Betina Humeres / Agência RBS